Colóquio


8 de Junho de 2018 | 

Instituto Politécnico de Tomar  | Sala Q102

[Língua de trabalho: inglês]

É incontestável que o cinema, seja ele artístico ou comercial, pode ser um meio de divulgação eficaz e duradouro de um destino. Nas últimas décadas vários estudos têm sido publicados demonstrando precisamente essa aptidão para, de forma subliminar, construir e promover países, regiões ou cidades através da relação sensorial e emocional que o público experiencia. É igualmente verdade que o poder das narrativas, neste caso, fílmicas advém do facto de estas estimularem a imaginação humana e de estabelecerem uma ligação emocional com quem as vê. Ligação essa que, normalmente, se desenrola através de um processo de identificação entre o público e os/as protagonistas das histórias visionadas, o que, no domínio do turismo, se traduz, muitas vezes, numa visita ao local que serviu de cenário ao enredo. Exemplo disso são os factos documentados por Stefan Roesch em The Experiences of Film Location Tourists (2009) ou por Sue Beeton em Film-Induced Tourism (2016). Já no que toca a Portugal, há que mencionar a produção científica seminal desenvolvida por Sofia Sampaio (ISCTE-IUL), por Luísa Sol (CIAUD-UL) e pelo projeto CREATOUR (CES-UC).

Em vários casos regista-se, inclusive, um fenómeno peregrinatório em resultado do interesse despertado nos/nas visitantes. Veja-se o caso da idílica aldeia neozelandesa Matamata que, entretanto, passou a fazer parte do complexo Hobbiton. Daí que o turismo fílmico, enquanto hipónimo do turismo cultural, não deva ser ignorado aquando da delineação de estratégias que visem diversificar a oferta turística de um local. Particularmente quando se trata de locais considerados periféricos, mas que se querem assumir como possíveis destinos ainda que de teor alternativo.

Portugal usufrui atualmente de grande popularidade enquanto destino turístico. Verifica-se, no entanto, uma concentração de turistas, que começa a ser avassaladora, na região costeira e em grandes cidades como Porto, Lisboa e Faro, ficando as zonas com menor impacto mediático e de reduzida densidade populacional votadas aos efeitos nocivos da interioridade. Algo que tem estado na mira da Organização das Nações Unidas e da UNESCO, tal como deu conta o Seminário APHELEIA 2018 – Resilience and Transformation in the Territories of Low Demographic Density, cujo tema central foi, precisamente, a gestão de territórios de baixa densidade populacional.

Não sendo um desequilíbrio exclusivo de Portugal, a concentração de turistas em áreas, já de si, densamente povoadas conduz a uma não distribuição dos benefícios que o turismo traz e, consequentemente, à emergência de frustrações várias por entre todas as partes envolvidas. Muitas vezes negligenciadas em campanhas de promoção turística internacionais, devido à perceção negativa que, por norma, se associa a regiões mais remotas e menos povoadas, é fundamental dar visibilidade aos aspetos que as tornam únicas e distintas. É com este desafio em mente que o Instituto Politécnico de Tomar, através da atividade Journeying the Screen II do Projeto MOVTOUR: Turismo e Cultura para e com a Sociedade, promove o Colóquio Moving Pictures: Tourism, Cinema and Peripheral Areas, convidando para o mesmo um leque de peritos e peritas no domínio do Turismo Fílmico e do Turismo Criativo.

Pretende-se com este evento criar um espaço para, através das diversas contribuições que se anteveem, refletir e debater possíveis soluções, através do cinema e do turismo criativo, que possam conduzir a um aumento de turistas em zonas afastadas dos circuitos turísticos tradicionais e com reais benefícios para as populações locais. Pretende-se, sobretudo, entender até que ponto é possível destacar a riqueza patrimonial contida na periferia – nos prismas material, imaterial e paisagístico – apresentando casos de sucesso e averiguar se os modelos já utilizados em outros destinos poderão ser replicados em Portugal.

 

 

Luís Mota Figueira | Investigador Responsável do Projeto MOVTOUR

 

COMISSÃO ORGANIZADORA

Hermínia Sol | Investigadora Principal | Coordenação Científica

Marta Almada | Coordenação e Produção Executiva

João Pinto Coelho | Gestão de Projeto

João Paulo Pedro | Secretariado

 

Créditos 

Um agradecimento ao Centro de Informática e Sistemas, em particular ao Eng.º Juvenal Paulino, pela colaboração técnica na conceção deste site.

A identidade gráfica deste projeto deve-se à valiosa cedência e partilha de direitos autorais através de Creative Commons. Apesar do seu licenciamento não exigir créditos, fazemos questão de fazer referência ao artista Ryan McGuire, de modo a contribuir para o seu reconhecimento e visibilidade.

 

Programa


Moving Pictures | Cinema, Tourism and Peripheral Areas

Instituto Politécnico de Tomar | Sala Q102


 
09h00
Secretariado
 
10h00
Abertura
10h30
Poldark’s Charmed Tourism: from the Screen to the Real Cornwall
 
11h00
Coffee-break
11h15
Understanding popular flirting with space in life journeys and their creativity
11h45
Collaborative approaches to linking culture, tourism, and local development: the CREATOUR and ARTERIA projects
 
12h10
Debate



 
13h00
Almoço
15h00
From Skelligs to Winterfell: the force is strong with film tourism in Ireland
15h30
The pitfalls of “virtual tourism”: Challenges for small peripheral communities
16h00
The impact of tourist films on the destinations choice
 
16h25
Debate e considerações finais
 
17h00
Café
download (pdf)
MovTour
Instituto Politécnico de Tomar
Centro de Estudos Sociais | Universidade de Coimbra
Instituto Politécnico de Santarém
Hotel dos Templários
Compete 2020
Portugal2020
ERDF

Inscrição gratuita

Ficha de inscrição


Como chegar


Como chegar a Tomar:

De comboio:

A partir da estação do Oriente ( Lisboa ). Há comboios diretos para Tomar. No caso do local de partida ser outro, por favor verificar horários disponíveis https://www.cp.pt

De carro:

A partir de Lisboa - » Auto-estrada A1, Siga pela A23 saída em direção a Abrantes/C.lo Branco/Torres Novas » saída para A13/IC3em direção a Tomar

Caso o local de partida seja outro, por favor consulte as direções em https://www.google.pt/maps

 

Localização

Endereço: Instituto Politécnico de Tomar - Quinta do Contador . Estrada da Serra 2300-313 Tomar, Portugal

Patrícia Rodrigues

Cornwall, on the south-West tip of England, could not be more geographically peripheral. Its dramatic coastline, spectacular moors and a long list of heritage gems packed with history make it appealing for all sorts of tourists. Indeed, it caters for thrill-seekers, nature-lovers, history enthusiasts, literary fans, and television buffs alike.
Winston Graham’s literary series Poldark, and subsequent BBC’s adaptations represented a boost to tourism in Cornwall. Set against the backdrop of eighteenth-century Cornish mines, the first Poldark television series in the mid-1970s was received with praise, and Cornwall experienced a surge in visitors. An old mine in Wendron valley was renamed the "Poldark Mine", becoming a tourist attraction. In the hospitality sector, pubs and inns changed their names to make them appealing to fans visiting the area. Indeed, Poldark remains one of the most successful British television series. BBC’s new remake, premiered in 2015, has been recently renewed for a fourth season.
Tourism in Cornwall has been steadily booming, and much is due to the popularity of Poldark, not only in the aftermath of the 1970s series, but also more recently. Books such as Poldark's Cornwall (2015), The World of Poldark (2015), and Walks in the Footsteps of Winston Graham’s Poldark (2016) detail the places television buffs are eager to visit. From numerous Poldark-themed tours which take visitors to the film locations, to accommodations boasting of its “Poldark-factor”, to the cooking instructions of The Poldark Cookery Book (2017), penned by Graham’s wife, there is plenty of Cornish charm to delight visitors. Furthermore, proving that tourism in Cornwall keeps up with the new trends, an app, Cornwall’s New 'Experience Poldark', has been created to help tourists navigate through the region.
Cornwall might not (yet) have the touristic prominence of England’s capital, or of Nature’s wonder Lake District, or of illustrious academic hubs such as Cambridge and Oxford, but it is certainly a touristic destination that will fascinate everyone who travels there. This paper aims to examine Poldark’s role in boosting Cornwall’s tourism industry, drawing on official data and informal interviews, as well as on my own personal experiences in “Poldark’s land”.

David Crouch

This paper critically examines the notion of constructing or producing sites and locations bespoke for tourism. In doing so, it engages the attitudes and practices of the tourism industry and its supportive panoply of government and its agencies. Their emphasis betrays considerable exaggeration of the ‘good stuff’ that tourism business brings to the worlds in which it operates. Numerous studies have shown, critically, how fraught the ‘hard sell’ of the tourist industry can be in reconstituting the character of localities from a more global mindset that imposes rather than empowers, both human and other-than human lives and their ecologies. Such a re-appropriation reaches an extreme in the prospect of ‘creative industries’ like film having a capability to ‘induce’ visitors. Such an absurd characterisation belies the fact that they don’t ‘induce’ tourism, give birth, cause, etc- they add an ingredient that can totally change what is there, and rarely so for the better. This paper shifts prevailing thinking on tourism as development to understand the character and lives, challenges and desires of people whose lives are unknown yet may be thought in need of benefits from tourism, though they may not so benefit. This paper focuses an insight into the often misunderstood and trivialised ways and feelings through which people and their intersubjective ways flirt with space, somethings on which distinctive tourism may be built, not to stereotype but to achieve much more. This includes contribution from my own research and writing as well as by anthropologists amongst others in recent years.

Cláudia Pato Carvalho

AUTHORS – Nancy Duxbury, Claudia Pato Carvalho

In rural and periphery areas, locally grounded cultural and creative activity can be key assets in developing tourism offers and in enriching local development more widely. We contend that to truly resonate and take root, these efforts must come from the locales themselves, led by local actors but also networked so they are not working in isolation. From this perspective, tourism is seen, in its broadest sense, as a reciprocal exchange that, for the territory and its residents, can translate into an opportunity for identity recognition, awareness of its heritage and cultural richness, quality improvement of life, improvement of attractiveness and territorial image (Juanchich, 2007). More broadly, the cultural dimension of local development can play a central role in inspiring, informing and propelling collective actions, and should also serve as an integral lens on all public policies and strategic decisions (Duxbury, 2013).
With this as context, in this presentation, we wish to share participatory methodologies and preliminary insights developed within the project “CREATOUR: Creative Tourism Destination Development in Small Cities and Rural Areas” and within the project “ARTERIA”. The overall objective of CREATOUR is to develop and pilot an integrated research and application approach for creative tourism in small cities and rural areas in Portugal, connecting the tourism and cultural sectors, and developing strong links within and amongst regions. ARTERIA is a project to create a network of regional cultural programming that involves agents, artistic and cultural structures of the Centro Region, academics and research institutions and the municipalities of Belmonte, Coimbra, Figueira da Foz, Fundão, Guarda, Ourém, Tábua and Viseu. The goal is to develop a participatory collaborative model of knowledge production in the cultural field that can impact cultural development at the regional level.
Within these projects, specific methodological approaches have been developed to intertwine theory and experimentation. Participatory approaches are central to both CREATOUR and ARTERIA where cultural mapping, collaborative endeavors, and other creative processes are integral parts of developing knowledge. Researchers, artists, municipalities, entrepreneurs and locally based creative organizations are essential actors co-investigating and reflecting on more participative approaches and connections between visitors and local agents, and between the culture and tourism sectors. Experimental learning and application processes are nurturing new knowledge, creative ideas, and networked support systems. The projects aim to support culture-based actions that can generate new images, imaginaries, and trajectories for local development in peripheral areas.

Noelle O'Connor

Ireland has always had a very strong history when it comes to storytelling so it was no surprise that when it came to film, the island nation with the small population (4.6 million) would become world renowned for its film industry. Over the years, Ireland has become a choice destination with many filming and production companies choosing the country as a filming location due to its relatively untouched, rugged landscape and several tax breaks, being available to such production companies. In most recent years Ireland has boasted to being the home of such world famous television series namely Game of Thrones (ongoing, filmed in various locations in Northern Ireland) and films Brooklyn (filmed in Wexford) and Star Wars (ongoing, filmed in Kerry) to name but a few.

For over a century it has been film and television that have allowed us to experience different countries and cultures which has resulted in the intrinsic link between the film and tourism industry and one that can pay off dividends for the future of the Irish economy (Roesch, 2009). While the Irish film industry’s history has not always been a smooth one since the 1990’s the industry has been a huge area for growth and has propelled Ireland into a powerful and distinguishing world player. Films can increase visitor numbers and support investment in refurbishing and expansion at specific attractions. This is evident in Northern Ireland, which has seen a marked increase in tourist numbers since the television show, Game of Thrones, started filming there and in County Kerry where Star Wars has been recently filmed.

This presentation will examine the impact of the Irish film industry with particular emphasis on the tourism sector, as it will observe the impact of film on tourism destinations that are shown in well-known Irish films and/or television series. It will examine the features of film induced tourism, as there is a necessity for a complete examination of this phenomenon within the Irish context (O’Connor, 2011)

Sofia Sampaio

A minha comunicação discute o conceito de “turismo virtual” no contexto dos estudos de cinema-turismo. Um dos problemas com este conceito é o facto de tender a tomar como adquirido, e a desse modo reforçar, visões desmaterializadas do cinema e do turismo. Argumentarei que a re-materialização dos estudos de cinema e turismo poderá ajudar pequenas comunidades periféricas a avaliarem melhor o que está em causa em vários projectos e modelos de turismo cinematográfico. Em vez de assumir um lugar pré-determinado no esquema geral das “indústrias globais de signos” (Tzanelli 2007), estas comunidades devem sentir-se encorajadas a desenvolver práticas articuladas de produção fílmica e hospitalidade que levem em conta aspectos como o modo como querem ser representadas, o papel que desejam desempenhar no processo, e o modo como esperam lidar com os resultados e impactos do projecto. Argumentarei também que questões-chave em torno da identidade deverão merecer uma discussão pública alargada e um plano de acção inclusivo e participado.

Francisco Dias

The audio-visual edia became one of most influential tools in tourism promotion, as tourist imaginary and destination image are nourished by images broadcasted by television, cinema and social media. Consequently, destination choice process also depends on the audio-visual media. Aiming to shed light on this process, a model of direct-diffuse influences on destination choice is proposed (DDIDC model). According to this model, films have a diffuse influence on tourist motivation and desired experiences and a more direct influence on destination preferences, that is, on the main factors of destination choice. This twofold influence on destination choice can be explained through the effects of cinema on the four components of destination brand equity, namely: destination awareness, destination brand associations (image), perceived quality and destination loyalty. Author illustrates the proposed model with short promo films that won previous editions of ART&TUR – International Tourism Film Festival.

David Crouch

Universidade de Derby (RU)

David CDavid Crouch é Professor Jubilado de Geografia Cultural e Humanidades na Universidade de Derby e membro do grupo de investigação Culture and Lifestyle. Foi Professor Associado no Departamento de Geografia da Universidade de Nottingham (2008-14) e Professor Convidado, assim como Consultor de Investigação, em várias universidades europeias, tendo integrado vários projetos em colaboração com diversos contextos académicos, nacionais e internacionais, incluindo redes.

David Crouch tem dado inúmeros contributos marcantes para o desenvolvimento de debates concetuais no âmbito da geografia cultural, da investigação, da escrita e do ensino. O seu trabalho contempla a natureza criativa do encontro entre os indivíduos e os lugares do dia a dia, assim como a prática artística profissional e popular. Passa também pela paisagem, lazer e performance turística, natureza, consumo e jardins comunitários.

O seu último livro Flirting with space: journeys and creativity, publicado em 2010 pela Ashgate, é uma monografia abrangente concetual e empiricamente corroborada.

Escreveu variadíssimas publicações académicas e mais de oitenta capítulos de livros inovadores, incluindo ensaios cativantes. De mais a mais, editou e participou em cinco publicações científicas. O seu trabalho está traduzido em quatro línguas. Pertence a conselhos editoriais de várias revistas científicas, é consultor científico e escreve recensões críticas para um manancial de publicações. Participa em diversas conferências e simpósios internacionais, normalmente como keynote speaker.

David Crouch participa de forma ativa na formulação de estratégias para inúmeras entidades governamentais e ONGs, com especial ênfase em trabalhos de política informativa, recorrendo à análise crítica no que toca ao uso e ao valor de um lugar, à sua regeneração e ao entender do “consumidor” enquanto ser cultural.

É conhecido pelos seus contributos diferenciadores na imprensa, na produção televisiva e em funções de consultoria. Recorde-se The Plot BBC2 (1994), com dois milhões de espectadores. O seu primeiro livro foi em coautoria com Colin Ward, The Allotment: its landscape and culture Faber (1988) e teve a sua quarta edição em 2008. É membro sénior de longa data na Real Sociedade de Geografia.

David Crouch é ainda artista plástico e o seu trabalho pode ser seguido em:

http://davidcrouchart.wordpress.com/




Sofia Sampaio

CRIA - ISCTE / IUL (PT)

Sofia Sampaio é Investigadora Auxiliar no Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) do Instituto Universitário de Lisboa, sendo membro do Grupo de Investigação “Práticas e Políticas da Cultura”. Coordenou, como Investigadora Responsável, o projecto de investigação “Atrás da câmara: Práticas de visualidade e mobilidade no filme turístico português” ( EXPL/IVC-ANR/1706/2013) financiado Fundação para a Ciência e Tecnologia ( FCT). Actualmente desenvolve o projecto “Exploring tourist and filmmaking practices through Portuguese non-fiction film: from the early travelogue to the tourism promotional film (1910-1980)” (IF/00313/2013). O seu trabalho tem sido publicado em revistas nacionais e internacionais, tais como Textual Practice; Journal of Tourism and Cultural Change; Tourist Studies; Culture Unbound; Etnográfica; Análise Social; Aniki: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento. Editou o livro Viagens, Olhares e Imagens: Portugal 1910-1980 (Lisboa: Cinemateca Portuguesa–Museu do Cinema, 2017).

Noelle O'Connor

Instituto de Tecnologia de Limerick (Irlanda)

Diretora da Licenciatura em Bussiness Studies e Gestão Turística

Professora Coordenadora na Escola de Gestão e Humanidades do Instituto de Tecnologia de Limerick, Irlanda



Atualmente sou Professora de Gestão Turística e Directora do curso de Licenciatura em Business Studies e Gestão Turística no Instituto de Tecnologia de Limerick, na Irlanda. Também dou aulas no MBA (regime online) do Instituto Glion de Educação Superior, da Universidade Les Roches Gruyere de Ciências Aplicadas (Suíça). Anteriormente coordenei o Departamento de Línguas, Turismo e Gestão Turística no Instituto de Tecnologia de Waterford e lecionei, ao longo de vários anos, em diversas instituições de Ensino Superior na Irlanda, incluindo no Instituto de Tecnologia de Dublin. Sou membro do Comité Editorial no Departamento de Artes, Património e Regiões de Expressão Gaélica.


Escrevi o livro Tourism and Hospitality Research in Ireland (2007) e publiquei A Film Marketing Action Plan for Film Induced Tourism Destinations - Using Yorkshire as a Case Study (2010). Integrei o Comité Editorial de diversas revistas de referência sobre turismo, entre elas Annals of Tourism Research and Tourism Management. A minha investigação incide sobre o turismo fílmico, a legitimação de destinos turísticos através de celebridades, branding de destinos e educação turística. Tenho apresentado o resultado do meu trabalho em várias conferências internacionais (Austrália, Bélgica, Canadá, Croácia, Estónia, Finlândia, Grécia, Hungria, Irlanda e Irlanda do Norte, Portugal, Espanha, Suécia, África do Sul, Suíça, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos e E.U.A.), bem como em revistas de renome.

Adquiri experiência como examinadora externa na Irlanda, Nepal, Suíça e Reino Unido. Integrei o Júri de Validação Exterior na Universidade do Oeste de Inglaterra, Universidade de Brighton, Universidade de East Anglia, Universidade de Derby, Universidade do Oeste da Escócia, Universidade Bishop Grosseteste, Universidade de Northampton, Universidade de Ciências da Suiça Ocidental, Universidade Internacional de Gestão e Turismo (Áustria), Centro de Avaliação de Qualidade no Ensino Superior (Lituânia), Dublin Business School, Instituto de Tecnologia de Athlone, Instituto de Tecnologia, Instituto de Technologia de Carlow e Tralee.

Tenho uma vasta experiência na área do turismo, visto ter trabalhado nas indústrias turísticas irlandesa, britânica, francesa e austríaca.


Cláudia Pato Carvalho ( co-autoria Nancy Duxbury )

Centro de Estudos Sociais | Universidade de Coimbra (PT)

Cláudia Pato Carvalho é investigadora no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra no âmbito do projecto “Arteria” (operação no. CENTRO-07-2114-FEDER-000022, Portugal 2020). O Artéria é um projeto de investigação-ação em colaboração com a companhia profissional de teatro O Teatrão (Oficina Municipal do Teatro, Coimbra) que visa a criação de uma rede de programação cultural na Região Centro e a criação de projetos de intervenção artística em oito cidades do Centro. Cláudia Pato Carvalho completou o seu doutoramento em Sociologia, especialização em Sociologia da Cultura, Conhecimento e Comunicação, na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, em outubro de 2010, em colaboração com o Centre for Reflective Community Practice, agora Community Innovators Lab - CoLab (DUSP, MIT).


Nancy Duxbury é investigadora doutorada e Co-coordenadora ddo grupo de investigação "Cidades, Culturas e Arquiteturas"  do CES UC. É a Investigadora Principal do projeto maior sobre Turismo Critivo «CREATOUR: Creative Tourism Destination Development in Small Cities and Rural Areas» (2016-2019). A sua investigação centra-se também em Cultura e Sustentabilidade, Planeamento Cultural e Mapeamento Cultural. É Professora Adjunta School of Communication, na Simon Fraser University, em Vancouver no Canadá e na School of Urban and Regional Planning, na University of Waterloo no Canadá. É doutorada em Comunicação e mestre em Edição pela Simon Fraser University. Em investigações anteriores estudou o envolvimento dos municípios no desenvolvimento cultural  ( infra-estruturas, indicadores e políticas culturais ) bem como edição de livros.


Patrícia Rodrigues

Instituto Politécnico de Santarém (PT)

Patrícia Rodrigues é doutorada em Literatura e Cultura - Estudos Ingleses - pela Universidade de Lisboa, onde também concluiu o Mestrado e a Licenciatura. É investigadora do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa e professora adjunta da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém. Como representante internacional da Literary London Society, promove a investigação literária relacionada com Londres. Integrou as comissões científicas e organizadoras das conferências internacionais The Street and the City - Awakenings e The Street and the City - Thresholds e está envolvida na preparação da terceira conferência internacional The Street and the City (2019). A sua pesquisa no âmbito dos estudos de cinema inclui o seminário Literature in Film – Film in Literature, na Universidade Livre de Berlim, e um trabalho académico sobre Dominação Masculina e Elitismo Académico, inspirado no filme Mona Lisa Smile (2003). Esteve em Port Elizabeth, África do Sul, numa viagem de pesquisa durante alguns meses, tendo publicado sobre a fundação desta cidade. Os seus interesses de investigação incluem o Iluminismo, a educação feminina, os prazeres e as tendências do século XVIII, as elites georgianas, Londres, o espaço citadino e, mais recentemente, it-narratives.



Francisco Dias

Instituto Politécnico de Leiria (PT)

Francisco Teixeira Pinto Dias é Mestre em Psicologia pela Universidade Estatal de Moscovo (Rússia), Mestre em Psicologia Social pela Universidade de Porto (Portugal) e doutorado em Ciências Turísticas pela Universidade de Perpignan (França).

Entre 1991 e 2009 foi Professor Associado no ISCET (Porto) e, desde 2009, é Professor Adjunto na Escola de Turismo e Tecnologia do Mar do Instituto Politécnico de Leiria.

Tem uma vasta experiência enquanto investigador na área do Turismo. De 2010 a 2014, foi responsável pelo Grupo de Investigação em Turismo (GITUR) e desde 2016 é o Diretor do Núcleo de Investigação de Destinos Turísticos e Investigador Principal do Observatório de Turismo do Centro (Portugal). O seu papel ativo e de liderança em projetos de investigação e desenvolvimento na área do Turismo ultrapassa os círculos académicos e inclui os seguintes projetos:

Atualmente coordena o projeto de investigação multicontinental “Customer-based brand equity for tourism destinations worldwide”.